Nossa Inspiração

Em nossa história como Batistas Brasileiros, existem heróis da fé que dedicaram suas vidas a causa da obra de Cristo, contribuindo significativamente para que o Evangelho alcance outros povos, através da tradução e revisão da Bíblia para outros idiomas. Com 59 anos em campo missionário, o casal de missionários Guenther e Wanda Krieger nos inspira nessa empreitada. Dessa forma, homenageamos esses valentes missionários com a indicação de seus nomes para o Centro de Línguas do Seminário Batista do Sul do Brasil e da Faculdade Batista do Rio de Janeiro.

O Pastor Guenther Carlos Krieger é conhecido por um sorriso ímpar e uma modéstia indescritível, especialmente quando fala de sua vida e ministério entre o povo indígena Xerente. O missionário chegou à região, então norte de Goiás, hoje Tocantins, no ano de 1959 e no dia 1º de outubro deste mesmo ano, passou a atuar como enviado da Junta de Missões Nacionais.

Guenther nasceu no dia 25 de janeiro de 1938, em Blumenau, Santa Catarina. Em agosto de 1957 foi batizado na Igreja Batista de Casa Verde, em São Paulo. Em 1958, concluiu o curso no Instituto Evangélico Missionário, em Jacutinga, MG, indo ao campo para um período complementar de estágio. No trabalho com indígenas, pôde ver quão espinhosa era a tarefa junto aos índios Xerentes, mas sentiu seu chamado sendo confirmado. Em 23 de novembro de 1960 casou-se com Wanda Braidotti, com quem teve seus três filhos: Orlando Luiz Krieger (19/09/61), Guenther Carlos Krieger Filho (13/06/64) e Marcos Fernando Krieger (05/04/67).

Passado mais de meio século e com 80 anos de idade, continua a trabalhar entre os Xerentes, onde tem uma vasta lista de serviços prestados em várias áreas do conhecimento humano, como na Literatura e na Educação. A atuação do Pr. Guenther e sua esposa, Dona Wanda, entre o povo brasileiro Xerente comprova que o Evangelho de Jesus Cristo pode transformar positivamente a vida de uma nação, pela mudança na concepção de mundo de seus indivíduos.

Este missionário batista foi o fundador da primeira escola entre o povo Xerente. Depois, com sua equipe, criou a escrita Xerente. É autor de várias obras literárias nessa língua, entre as quais as principais são: a Primeira Cartilha Xerente de Alfabetização (1960); Primeiro Hinário Xerente para o Culto (1961); Evangelho Segundo São Marcos (1970); Livro sobre Higiene e Saúde (1972); Atos dos Apóstolos em Xerente (1978); Coletânea de Textos do Novo Testamento (1990) e Dicionário Bilíngue Xerente Português (1994). Porém, seu mais relevante trabalho escrito da língua Xerente foi o Novo Testamento em Xerente, lançado em 2009. Esta tradução foi concluída após mais de trinta anos de dedicação, contando com uma equipe de cerca de 18 indígenas Xerentes.

O Pr. Guenther, que é dotado de um conhecimento singular e de uma memória admirável em seus 80 anos de idade, recebe com modéstia as homenagens e elogios que lhe são atribuídos. E, com um generoso e grato sorriso alega que os recebe como a um bálsamo para o coração de um velho labutador. São traços de sua atuação: o serviço, o sorriso e a humildade. Será também seu legado, como um dos mais brilhantes homens evangélicos brasileiros, sua notável capacidade de comunicar o Evangelho de Jesus Cristo, com uma admirável simultaneidade e coerência entre a teoria e a prática.

Atualmente, Pr. Guenther e Dona Wanda estão dedicando esforços, junto a uma equipe de líderes indígenas, na tradução do Antigo Testamento em Xerente e na atualização do Dicionário Bilíngue Xerente-Português. Perseveram incansáveis, certos de que estão no centro da vontade de Deus.